Máxima com tiara Pavão Real | Fotografia: Patrick van Katwijk, Getty Images
Design e Artes

Rainha Máxima recupera vestido, mas é a tiara perdida que conta uma história

Já começa a ser habitual membros da realeza repetirem outfits, mas desta vez as atenções voltaram-se para a tiara usada por Máxima da Holanda, que chegou a estar perdida.

Os reis dos Países Baixos voltaram a vestir-se a rigor, desta vez para o jantar de receção ao Corpo Diplomático no Palácio Real de Amesterdão. Como habitual, a rainha Máxima destacou pela sua elegância, desta vez num vestido vermelho que usou pela primeira vez em 2011 e que mostra que a monarquia está muito mais atenta aos gastos.

Cada vez é mais frequente ver membros da realeza a usar peças low cost, principalmente Letizia de Espanha, que não se inibe de usar e abusar de peças da Zara com frequência, o que mostra que a moda da sustentabilidade também já chegou às casas reais.

Apesar do vestido escolhido por Máxima ter 13 anos, o seu design continua elegante e intemporal, com um decote em barco discreto e mangas compridas, um corte na cintura e duas aberturas laterais, para maior liberdade de movimentos.

Além do vestido, é impossível não reparar nas joias usadas por Máxima, com diamantes e rubis, em especial a tiara Pavão Real, criada em 1897 para a Rainha Wilhelmina e para a qual foram usados diamantes que pertenceram a Sofia de Wurtemberg, a primeira mulher de Guilherme III.

Em forma de pavão com vários rubis e diamantes, passou a fazer parte da coleção da família real holandesa, mas durante muito tempo não foi usada pois acreditava-se que estivesse perdida. Os rumores terminaram quando, em 2005 e após 40 anos sem ser vista, a Rainha Máxima voltou a usar a tiara, com o colar a condizer.

Atualmente, é usada com frequência em eventos importantes e foi a joia escolhida pela princesa Amália, filha de Máxima, para brilhar na receção aos reis de Espanha.

Coolhunting

Virginie Viard abandona Chanel e a dança dos Diretores Criativos continua

Chanel anuncia a saída da Virginie Viard para mais um capítulo no já longo livro que se escreve sobre a desistência de diretores criativos de grandes Casas de moda. Se a moda é efémera, o que dizer disto?

Design e Artes