O futuro da casa Ikea
Design e Artes

Descobrimos como será o futuro das nossas casas

Estas são as tendências de como queremos habitar no futuro, segundo o relatório "Life at Home" do Ikea. Falámos em exclusivo com a sua responsável, Kate McCroy, na Semana de Design de Milão - e até damos 5 dicas para transformar o espaço num lugar de bem-estar

Katie McCrory é responsável pelo relatório “Life at Home” do Ikea, um dos maiores trabalhos de investigação sobre o futuro das nossas casas, realizado já há nove anos consecutivos. Em Milão, durante a Semana de Design, falou com a VERSA sobre o que está a mudar na nossa forma de viver o nosso espaço mais sagrado, e o que vamos ver de principais tendências nos nossos lares. É com esse relatório que a marca sueca diz manter todos os anos a sua curiosidade e os resultados depois de interpretados são incorporados no negócio.

“O futuro da casa é uma grande questão e o que temos feito com este relatório é começar por perguntar às pessoas o que esperam da casa, como se sentem em casa, qual é o seu ideal de casa. O trabalho que faço anualmente é muito intenso, visitamos muitas casas e fazemos entrevistas a milhares de pessoas sobre o tema” começa por explicar Katie McCrory.  

Este ano o foco do relatório foi o bem-estar e a forma como nos sentimentos em relação às nossas casas. “O que quisemos explorar foi como queremos, no futuro, sentir-nos em relação ao espaço que habitamos. Começámos por perguntar de forma mais aberta sobre como imaginam a casa do futuro, felizmente quase todos olham para o futuro com mais otimismo; mas também perguntámos de forma mais geral sobre a casa ideal, a casa com que sonham para o futuro. E isso vai ao encontro das emoções das pessoas porque podem pensar em produtos específicos ou coisas que querem em casa, e o que salta no relatório é que todos se querem sentir mais seguros em casa, o que faz sentido depois da pandemia” explica a responsável pelo relatório “Life at Home” publicado pelo IKEA.

À segurança, junta-se outra grande tendência: o sentido de maior pertença. “Querem que as casas possam receber as pessoas que amam, ter espaço para conviver com família e amigos. Querem também sentir conforto, as pessoas querem sentir que a casa é o seu santuário. Quando pensamos no futuro da casa chegamos à conclusão que temos de olhar para as necessidades mais emocionais e pensar como criar casas e espaços com uma certa curadoria que leve as pessoas a criarem verdadeiras relações, querem sentir ligação, e a grande questão é como criar um espaço que diga algo sobre nós”.

Conclusões alinhadas com as respostas dadas pelo mercado português: “Estive a olhar para alguns dos resultados de Portugal, e como as famílias se sentem em relação ao espaço que habitam, e há uma verdadeira procura pelo verde, pela natureza. O que é natural depois de terem estado tanto tempo fechadas em casa. Mas também o sentido de segurança é muito referido pelos portugueses” acrescenta.

5 dicas para tornar a casa num lugar de bem-estar:

. Rituais - É tudo o que tenha a ver com a ideia de escolhemos fazer as coisas de forma mais espontânea, e não de acordo com uma agenda. É pensar: o que ganho com esta determinada atividade ou com este momento? Tirar tempo para ler um livro, fazer ioga, acender uma vela ou simplesmente descansar.

. Relações - As pessoas, nos últimos 18 meses, sentiram que se aproximaram de família e amigos, mas uma em cada cinco dessas pessoas sofreu durante esse período. Há, por isso, o sentido de cuidar de quem gostamos, de quem queremos nas nossas vidas, passar tempo com essas pessoas é muito importante e usar a casa como lugar de encontros.

. Espaço - Cerca de 65% das pessoas fez mudanças no espaço onde vivem para “ganharem” espaço em casa, passando a usá-lo para atividades de bem-estar. Fazer mudanças que nos façam sentir melhor em casa tem impacto até na nossa saúde mental.

. Comunidade – A nossa casa alarga-se ao bairro onde vivemos e com as pessoas com quem nos relacionamos: 73% das pessoas refere que dar-se bem com os vizinhos faz sentirem-se melhor.

. Futuro da casa – Pensar sobre o futuro: o que quero da minha casa? Como ter escolhas mais intencionais e ter um propósito para a minha própria casa?

 

RELACIONADOS

Evasão

Junho é o mês do Orgulho Gay – celebremos hoje, amanhã e sempre

Precisamos de lutar, diariamente, pelos direitos de uma comunidade que continua a ser ostracizada em todo o mundo.

Design e Artes