Tower Bridge, Sacramento, EUA | Fotografia: Unsplash
Evasão

Estas são as mais curiosas tradições de ano novo pelo mundo

Neste artigo revelamos alguns dos costumes mais curiosos e surpreendentes de vários países na noite de passagem de ano. Atreves-te a experimentar?

31 de dezembro não é um dia qualquer. Nesta data, colocamos um ponto final no ano velho e celebramos o ano novo com todas as tradições que soubermos para termos a melhor das sortes. Mas estes costumes variam de país para país e, com a ajuda da Yescapa, plataforma intermediária líder no aluguer de autocaravanas e campervans na Europa, revelamos alguns dos mais curiosos e surpreendentes.

Itália: o grande velho

Em algumas cidades, como Bolonha, na Piazza Maggiore, queimam todos os anos o Vecchione (o grande velho), um boneco enorme que simboliza o mau do ano, e assim deixam para trás a má sorte, começando o ano com o pé direito.

Reino Unido: ser o primeiro

Uma tradição popular britânica diz que se for o primeiro a visitar os amigos e familiares após as doze badaladas terá boa sorte durante todo o ano. Além disso, parece que agora é conveniente trazer um presente – que pode ser pão, carvão ou dinheiro – para garantir que nada faltará durante os 365 dias do ano.

Dinamarca: saltar sobre uma cadeira

Antigamente, na Dinamarca, partir pratos contra a porta dos entes queridos, após o jantar de Ano Novo, era um gesto de boa sorte. Agora, parece que esta tradição se tem moderado e é suficiente saltar sobre uma cadeira depois do relógio bater a meia-noite. Diz-se que esta forma única de passar para o ano seguinte traz fortuna a quem o faz.

Grécia: jogar às cartas

É uma maneira curiosa de passar a tarde de final do ano e, assim, esperar a estreia do novo ano que vem. Na Grécia, o Ano Novo tinge-se de rituais que visam pedir sorte e dinheiro para o próximo ano e incluem jogar às cartas ou dados, à espera dos sinos.

Em algumas zonas da Grécia, como na ilha de Creta, a tradição é mais terrena, já que os seus habitantes penduram nas portas uma cebola albarrada, que embora tóxica, atrai boa sorte.

República Checa: atirar um sapato

É um costume curioso das mulheres checas solteiras. Na noite de Ano Novo atiram um sapato acima do ombro e se este cair com a ponta virada para a porta de casa, é possível que se casem no ano seguinte.

França: beijar debaixo do visco de natal

A tradição dita que todas as pessoas dão dois beijos sob o ramo de visco enquanto pedem desejos para o Ano Novo. Este costume é uma herança dos celtas e gauleses, que acreditavam que o visco, símbolo da imortalidade, porque não perde nunca as suas folhas, trará boa sorte, boas colheitas, fertilidade e afastará os maus espíritos.

Japão: 108 sinos

No Japão, o fim do ano é celebrado com sinos, não com 12, mas com 108. São tocados nos templos budistas, que além de representarem um número sagrado para estes monges, diz-se que é o número de defeitos que nós, seres humanos, temos.

Chile: dar um passeio com malas 

Para além das 12 uvas, uma das tradições de passagem de ano no Chile é sair à rua com uma mala vazia e dar um passeio, assegurando, assim, que o próximo ano estará repleto de viagens.

México: varrer a casa 

No México diz-se que é a melhor maneira de varrer as coisas más do ano que está a acabar, e caso se varram moedas de cêntimos para dentro, a boa sorte pode sorrir.

Porto Rico: atirar baldes de água 

Aqui não só se comem as 12 uvas como em Portugal, como também se atiram 12 baldes de água para afugentar os maus espíritos. E se estiverem na praia, atiram-se de costas para o mar com o mesmo objetivo. O mar é outra boa maneira de evitar o azar.

RELACIONADOS

Coolhunting

Skinny jeans nunca são demais e no Lidl custam menos de €18

Um básico nunca é demais e ao Lidl chegam três ao mesmo tempo. São as novas skinny jeans.

Evasão