Joana Teixeira, fundadora do The Therapist e autora do novo livro "Cozinha Funcional" | Fotografia: Una Create
Gourmet

Antes das receitas, eis as dicas para uma alimentação funcional

Joana Teixeira, fundadora do The Therapist, acaba de lançar o livro "Cozinha Funcional", com 50 receitas. À VERSA, partilha dicas para as pôr em prática.

A aventura de Joana Teixeira na área da saúde e do bem-estar começou em 2017, quando abriu o The Therapist, na Lx Factory, em Lisboa. Na altura, era somente uma clínica com terapias não convencionais, workshops, cursos e dotada de uma cafetaria saudável e biológica. Só depois surgiu a vertente de restaurante terapêutico, que em 2021 viu nascer um novo espaço no bairro de Alvalade.

Cinco anos depois, Joana Teixeira apresenta-nos agora o resultado da larga experiência que foi adquirindo com o The Therapist no novo livro Cozinha Funcional (€17,45). 

Quem já está familiarizado com o menu do Therapist, sabe que a alimentação funcional desenvolvida por Joana Teixeira funciona em torno de quatro objetivos: Immunity (imunidade), Power (força), Mind (energia) e Reset (desintoxicação).  

No livro acrescentou um outro, Woman, para quem há receitas focadas na fertilidade, beleza feminina e libido.

Mas o que é, afinal, isto de uma alimentação funcional? Joana Teixeira deixa-nos cinco conselhos para a pôr em prática, que ficam mais fáceis com as 50 receitas do livro.

5 conselhos de Joana Teixeira para uma alimentação funcional 

1. Organização: o essencial é ter uma organização da despensa, com os produtos fundamentais, como cereais, sementes, frutas e legumes, devidamente classificados e armazenados. 

2. Planeamento: sabemos que a semana já é muito concorrida para ainda andar a pensar em receitas complexas para o jantar, por isso, nada melhor do que planear as refeições à semana, garantindo assim que tens tempo para tudo e os ingredientes necessários em casa. 

3. Simplificar: não é preciso fazer receitas de chef todos os dias. Basta dar primazia aos legumes no prato, em detrimento de outros ingredientes menos saudáveis. 

4. Sem fundamentalismos: apesar de recomendarmos uma alimentação maioritariamente à base de plantas, sabemos que nem sempre é possível, seja porque fomos a um jantar de amigos, ou porque não tivemos tempo de demolhar as leguminosas, enfim. Há que aceitar que comer de forma saudável é um processo em que nem sempre vamos fazer tudo a 100%. Não vale a pena deixar de viver por isso. 

5. Aceitar: Roma não se fez num dia, por isso sugiro que comeces por passos pequenos, como retirar os açúcares de casa ou substituir o leite por bebidas vegetais. E daí partir para algo mais complexo, sempre respeitando os timings e estilo de vida, para não tornar o processo de uma vida mais consciente num bicho de sete cabeças. 

Carpaccio de beterraba e laranja 

Ingredientes (para quatro pessoas): 

— Duas beterrabas 
— Duas laranjas 
— Um punhado de endro 
— Um punhado de estragão 
— Um punhado de folhas de hortelã 
— Vinagre de Umeboshi 

Ingredientes para a marinada de beterraba: 

— ⅓ chávena de vinagre balsâmico 
— ⅓ chávena de sumo de laranja 
— Duas colheres de sopa de agave ou geleia de arroz 
— Uma colher de café de sal 
— Pitada de pimenta preta 
— Uma colher de chá de semente de coentros 

Modo de preparação:  

Descasca e corta a beterraba em lâminas muito finas. Para esse efeito, sugiro que uses uma mandolina ou um descascador. Coloca todos os ingredientes da marinada numa taça e as fatias de beterraba também. Deixa as fatias de beterraba a marinar durante quatro horas, no mínimo. O melhor será preparar no dia anterior, visto que aguentam até cinco dias dentro da marinada e assim garantes o máximo sabor. 

Para montar a salada, retira as fatias de beterraba, corta as laranjas em fatias finas e intercala-as num prato. Por cima, coloca as aromáticas frescas e o vinagre de umeboshi. 

A combinação da laranja com a beterraba aumenta a performance física e ajuda na recuperação muscular, visto que mistura a vitamina C da laranja com o óxido nítrico presente na beterraba. 

RELACIONADOS

Coolhunting

Raf Simons: o ato final de um designer sem medo do inesperado

O que há para fazer depois de 27 anos de criações? Para Raf Simons, nada mais. Por ser um designer livre e independente, seguiu em frente e pôs um ponto final na carreira de uma vida.

Gourmet