Pão Alentejano
Gourmet

Pão de perder a cabeça!

Nem só de pão vive o homem, até comer o "melhor dos melhores".

A passar uns dias em Mértola, a minha curiosidade sobre os sabores e tradições fica ainda mais desperta, não fosse o Alentejo um dos mais ricos patrimónios gastronómicos de Portugal. Mas é ao pão que fico presa. Não sei se já o experimentaram, mas garanto aos amantes de bom pão que é impossível resistir e mais difícil ainda é parar. E, convenhamos, não há mesa portuguesa que viva sem pão.

Para minha sorte, é produzido ali bem perto de onde estou, em São Pedro de Sólis. Como nem só de piscina se vivem os dias de descanso, desafiei os miúdos a perceberem como é feito o pão que os tem feito suspirar.

Chegámos mesmo a tempo de ver o início do processo e de conseguir uma palavrinhas com um dos funcionários que faz a distribuição e que me contou que não há segredos, nem ingredientes escondidos nesta receita. Até custa a acreditar. O charme dos miúdos arranca à Maria Antónia uma massa crua que os vai deixar perceber mais logo que até numa pizza caseira este pão é rei.

A Padaria Costa, Esperança, Dias e João está nas mãos de 3 sócios, desde 1983. É na pequena Rua do Cerro que se ergue a Panififcadora, que numa vila tão pequena não passa despercebida. Eu elegi, há muito, o cheiro a pão acabado de cozer como o melhor cheiro do mundo e depois desta excursão mantenho o voto. 

A Panificadora começou com um edifício de apenas 80 m2, hoje tem cerca de 1200 m2 e conta com 35 funcionários neste ofício que não queremos ver perdido. São 3.000 pães que saem para distribuição diariamente. 

De repente, apercebo-me que estou numa Panificadora altamente premiada. Ao todo a Padaria de S. Pedro de Sólis já soma 3 medalhas de ouro, 2 de prata e a distinção de “O Melhor dos Melhores”. Não me surpreende.

Insisto com a pergunta do segredo, mas na fábrica todos repetem o mesmo: "não há segredo". Num olhar atento, percebemos que o segredo pode estar no tempo que o pão é amassado. Para além do processo de levedura de um dia para o outro, esta massa é amassada à mão uma hora inteirinha e repousa outro tanto tempo, antes de entrar nos fornos. Fornos que já não são a lenha. São aquecidos a maçarico. Convidam-me a entrar na sala final onde ficam os pães cozidos antes de seguirem viagem. A sala tem mais de 40 graus que vêm unicamente do calor do pão. Afinal, as viagens podem ser longas, mas o pão quente é o preferido de todos e assim se mantém o calor por muito mais tempo.

Daqui saem os famosos pão cabeça, os cacetes e a chapata. Todos com igual massa  mas diferentes formas e até algumas diferentes cozeduras. Adoro todos. Portugal adora todos.

Quero terminar este breve artigo com indicações onde comprar, mas deparo-me com uma dificuldade. Neste mercado do pão não há branding! Um saco transparente com letras azuis impressas é deveras insuficiente para identificar inequivocamente este pão. É o nome da panificadora que o identifica, não tem propriamente uma marca. Como já foi "baptizado" por alguém como o pão de mértola, acho que podes procurar assim no comércio mais tradicional de Portugal e, inclusive, em alguns países com maiores comunidades de portugueses. 

RELACIONADOS

Evasão

Férias numa casa na praia? Sim e é possível e a 40 minutos de Lisboa

Este ano não deu para organizar uma viagem de sonho? Não faz mal, há opções que nos permitem sair da confusão da cidade e abraçar a tranquilidade.

Gourmet