Tank Cartier
Coolhunting

Com mais de 100 anos, o Cartier Tank ainda é um bom investimento?

Yves Saint Laurent, Catherine Deneuve e até a Princesa Diana tinham um. Perguntámos a uma especialista em luxo se ainda justifica investir neste ícone.

Desenhado por Louis Cartier, em 1917, o relógio Cartier Tank segue as linhas das máquinas de guerra que dão, precisamente, o nome a este modelo clássico. Tornou-se num ícone de elegância ao longo de mais de um século ainda que com uma estética a lembrar os robustos veículos blindados que entraram em ação durante a Primeira Guerra Mundial.

A história que se conta é que se tornou num verdadeiro ícone no instante em que Rudolph Valentino o usou em “Son of the Sheik”. A partir desse momento, começou a ser visto no pulso de outras estrelas de Hollywood como Gary Cooper, Cary Grant ou Clark Gable. E seguiram-se personalidades mediáticas como Frank Sinatra ou Jacqueline Kennedy Onassis.

Em 1920 era um produto de nicho, com muito poucos manufaturados, mas com o tempo tornou-se um clássico, e é reinventado em modelos que procuram conquistar novos consumidores. De uma homenagem à maquinaria de guerra a símbolo de elegância e sofisticação, tanto para homens como para mulheres, a Versa questiona: continua a ser um bom investimento?

“Em geral a marca Cartier é um bom investimento. Em relação aos relógios, há distinções que têm quer se fazer. Há relógios que são investimentos e há outros que o são menos. Se for um Tank entrada de gama, há muitos à venda, até em sites de segunda mão, para além dos novos à venda nas lojas. Mas a Cartier é uma marca de híper confiança e, portanto, extremamente valorizada e que todos os anos, sem exceção, aumenta os preços, o que quer dizer que até qualquer produto em segunda mão é valorizado” começa por explicar Mónica Seabra-Mendes especialista em gestão de luxo.

E acrescenta: “Há um mercado de segunda mão que hoje é muito dinâmico, até porque há muita escassez em termos de mercado em primeira mão, portanto continua a fazer sentido comprar produtos de marcas boas, porque é sempre um bom investimento. E depois, há determinados modelos que já não se fazem e, portanto, passam a ser vintage, os modelos que já não existem já têm outro tipo de valor”.

RELACIONADOS

Coolhunting

Bucket hats, os chapéus que não nos saem da cabeça

Numa prosa de amor aos bucket hats, declaro-me a estes modelos.

Coolhunting